Por que assistir | Crítica: O Gambito da Rainha (2020)

by - outubro 26, 2020

Um minissérie de total protagonismo feminino, ambientada nos anos 60, Estados Unidos, Guerra Fria e um jogo para amarrar tudo: xadrez. Com Anya Taylor-Joy, a menina inteligente de Fragmentado, O Gambito da Rainha é a nova aposta da Netflix, um sucesso garantido e eu posso provar.

minisserie-netflix-o-gambito-da-rainha
O Gambito da Rainha | Anya Taylor-Joy como Beth

Um bom roteiro

Quem me acompanha aqui sabe que eu insisto na premissa de que uma boa história pode ser sobre qualquer assunto. O que importa é a forma de contar, a narrativa. Em O Gambito da Rainha, temos uma trajetória clássica, digna da jornada do herói, que pode ser verificada na maior parte dos filmes americanos. Entretanto, não nasceu aí, mas nas tragédias gregas. Pelo menos, até onde encontramos registro. O fato é: a forma de contar é sempre a mesma, desde que o mundo é mundo.

A estrutura se concentra em um personagem principal que precisa vencer obstáculos na vida para vencer. Partindo daí, vai encontrar obstáculos menores, depois o maior de todos, se deparará com pessoas que lhe atrapalharão o caminho e outras que serão seu guia. Vai chegar em um ponto em que a mudança de rumo será necessária e assim, se cumprir o que for preciso, alcançará seu objetivo. É assim. Para qualquer história. Em qualquer obra, em qualquer lugar.

Aqui, Beth (Anya Taylor-Joy) é a mocinha que viveu um começo de vida difícil e encontrou no xadrez sua paixão. Ao lado dele, seu maior obstáculo: o vício em tranquilizantes e álcool. A ambiência ajuda: eram os anos finais da década de 50, de comportamentos rígidos e conservadores, então as drogas acalmavam as crianças e adultos a uma convivência harmoniosa ou morna, apagada e apática. Agora, é saber o que Beth precisa fazer para atingir seu objetivo maior. Com uma estrutura muito bem amarrada em sete episódios e sem querer contar muito, indico: a maratona é garantida.

crítica da série O Gambito da Rainha
O Gambito da Rainha | grandes personagens

Elenco experiente e personagens complexos

Com o bom roteiro e personagens bem amarrados - é importante o paralelo entre produções opostas deste 2020: esta minissérie e Modo avião, o filme de língua não-inglesa mais visto na Netflix até então. A comparação entre a construção de personagens nas duas obras, em profundidade, complexidade e, até mesmo, seleção de elenco é interessante. Enquanto naquele, passamos sem grandes intercorrências, com soluções rápidas demais para problemas que deveriam ser sérios, aqui, há um peso em cada história particular, os tornando figuras mais humanas. Assim, garantem o nosso envolvimento e passamos a acompanhar e torcer por eles, como fazíamos nas grandes novelas da Globo dos anos 90 e 2000.

Aqui, cada um está a serviço da protagonista e o mote é construtivo, temos Thomas Brodie Sangster, como um dos adversários de Beth, Marielle Heller, como sua mãe adotiva, Alma e Marcin Dorocinsky, seu maior adversário, Borgov. É uma série que nos leva para cima - um objetivo em comum com Modo avião. Ela nos faz compreender e provoca uma identificação com aquelas dificuldades - por mais díspares que sejam das nossas - vividas por Beth. Enquanto isso, seguimos esperando pelo retorno da amiga Jolene (Moses Ingram) e daquele que originou tudo, o professor de xadrez, Mr. Shaibel (Bill Camp).
 
A diversidade é garantida sob a forma da sutileza. Não é uma obra de denúncia, protesto ou crítica social, mas está tudo ali, nos lembrando que não dá mais para produzir peças mornas, sem crítica e pautadas na vida branca e hetero da classe média americana. Acabou. 

Com muita leveza, o filme marca a época em que se insere com uma boa 'embalagem': figurino, locações, direção de arte e musical seguem impecáveis. Os comportamentos acompanham, em uma tentativa de se quererem patriarcais, mas combatidos à medida da natureza humana, como a única forma possível de viver bem: buscando uma harmonia nas relações. Ao mesmo tempo, por viverem em um período de grande transformação social, é como se todos ali estivessem aprendendo, uma reeducação de valores e moral. Não suficiente, há o pano de fundo político: a Guerra Fria, que se cruza com a história dos famosos gênios enxadristas soviéticos em oposição aos americanos. Tem para todo mundo.

thomas brodie-sangster é um dos adversários e amigos de Beth, Mike.
O Gambito da Rainha | Thomas Brodie Sangster como Mike

O que é o Gambito da Rainha?

O título incomum é também do livro que foi adaptado, de Walter Tevis, de 1983. O autor faleceu um ano depois, quando já havia o interesse para adaptar a obra para o cinema. Heath Ledger também tentou e com sua morte, o projeto ficou parado. O Gambito da Rainha ou o Gambito da Dama é um movimento de abertura do xadrez. Aí vamos para o técnico: o que é uma abertura no xadrez? As aberturas ou movimentos de abertura no xadrez, são um conjunto de estratégias logo no início da partida, com uma série jogadas para conquistar o poder no centro do tabuleiro. Mais do que isso, só checando nos livros e sites sobre o assunto.

O que nos interessa aqui é entender como o título se relaciona com a obra. A Rainha está clara e o movimento para conquistar o tabuleiro acontece a duras penas. É ela quem comanda a própria história, uma criança que virou mulher à custa de muita disciplina equilibrada com descobertas e derrapadas. Com a atuação brilhante de Anya Taylor-Joy, atriz que tem se destacado e amadurecido nas produções que elege para participar, vemos o desenvolver de uma jovem à vida adulta sem amarras, mas com objetivos definidos.

Ela constroi sua estratégia à base de muito estudo, insistindo em outra máxima de que talento existe, mas não funciona como mágica. O talento é uma habilidade e, como tal, precisa ser exercitada. A prática, por sua vez, demanda disciplina e é neste contexto em meio à adolescência que acompanharemos o percurso de Beth. A protagonista faz seus movimentos de abertura para conquistar o centro, espaço masculino em que mulher alguma havia se aventurado antes. Por não haver restrições, já que não havia também precedentes, ela seguiu adiante.

O gambito da rainha, adaptação do livro de Walter Tevis
O Gambito da Rainha | Conhecimento como estratégia

Por que assistir?

Se até agora você anda não sabe porque deve assistir O Gambito da Rainha, digo um pouco mais. Cada episódio é construído com o gancho para o seguinte. Assim, a maratona é quase obrigatória e, por ter um tema que não abala nossos corações, não tem muito barulho - pelo contrário, o silêncio é solicitado - vale para quase todo mundo.

É uma série que promove a ideia do conhecimento, que busca nos estudos, na ciência, seu fim. O verdadeiro valor e tema da produção - não sei do livro, que não o li - não é o xadrez, mas a educação. O xadrez é o argumento, o objeto que funciona como ferramenta. Poderia ser um desafio de matemática, uma grande descoberta, qualquer outra coisa. A graça do xadrez é que é uma disputa, então o conhecimento é uma estratégia de vitória.

O mote de "não há outra forma de vencer que não seja através do estudo" é a graça. Como defensora da busca por conhecimento, a obra me pegou de imediato. O compartilhamento de ideias, também. O protagonismo feminino, idem. O título inusitado, que não me dizia nada, ao invés de me afastar da trama, me atraiu por curiosidade. E, para fechar, o fato de não ter atores imensos, nos faz focar mais na história do que em ver um ídolo na tela. Assim, há espaço para outros atores e para nos vermos ali, como pessoas, espectadores dos torneios, amigos dos personagens.

A minissérie vence com um argumento interessante nestes tempos em que discutimos o feminismo como uma força social, em oposição a uma disputa de poder. À medida em que encontramos uma causa comum, é importante que nos unamos por ela, independentemente de gênero e status. Assim é com o xadrez: não há adversários, mas pessoas em busca de jogar melhor, independentemente de gênero, nacionalidade, crenças, cor. Vencido este orgulho de qualquer lado, as inovações e a construção do pensamento apenas evoluem. Uma grande jogada, o Gambito da Rainha.

***
Vamos tomar um cafezinho? Assim mantemos este blog maravilhoso cheio de conteúdos e atualizações =)

Você também pode gostar

0 Comentários