Artista de Cinema: Wes Anderson

by - agosto 06, 2020

Demorei, mas cheguei! Agosto veio com tudo aqui em Salvador, aquele mês longuíssimo, mas que entrou corrido na minha semana. Muitas mudanças que contarei depois, mas, antes de mais nada, é hora de apresentar o Artista de Cinema do mês!

Wes Anderson
Este rapaz com cara de francês é o texano de Houston, Wes Anderson. O diretor e roteirista é responsável por trazer um cinema americano específico em estilo e narrativa, o tornando um 'autor' dos tempos modernos. Seus filmes são sempre de comédia, com um humor peculiar em texto e performances de quase sempre os mesmos atores. A importância do diretor recai em seu talento, ao nos carregar para vivermos histórias inusitadas e divertidas.

Curiosamente e de acordo com o imdb, seu filme favorito é O bebê de Rosemary (1975), de Roman Polanski. Aqui entram algumas questões que mencionarei brevemente, porque não são o foco. Um é nomear um filme de um diretor 'maldito' como o melhor da vida. Não precisa ser polêmico, mas precisamos discutir as obras destes diretores, que talvez infelizmente, fazem grandes filmes. Digo isso, porque, como pessoa que gosta/estuda/vive de cinema é um sofrimento mesmo lidar com filmes maravilhosos e diretores com histórias de vida bizarras, para dizer o mínimo. Em segundo, e agora cito outro diretor complicado, há uma semelhança em gosto entre Anderson e Allen, dois autores de comédias - completamente diferentes em estilo e forma - que se inspiram em dramas e os têm como referência. Enquanto nosso Artista de Cinema elegeu um dos maiores filmes de Polanski, Woody Allen sempre quis e ensaiou se aproximar de Ingmar Bergman, seu grande ídolo de todos os tempos. Depois de muito tentar, ficou a certeza de que seu caminho é outro. 

Depois deste imenso e talvez desnecessário parêntese, Wes Anderson traz um pouco de suas histórias pessoais e amigos para seus filmes. Três é demais (1998) reaproveita os nomes dos colegas de escola, Owen Wilson é seu amigo desta época e junto com Luke Wilson, o irmão, participam em alguns de seus filmes. Há quase sempre o mesmo elenco, com Jason Schwartzmann, os Wilson, o sempre incrível Bill Murray, Tilda Swinton, Adrien Brody e por aí vai. Essa familiaridade, quando passamos a acompanhar a filmografia do diretor, gera um conforto e a expectativa de que reencontraremos velhos amigos para viver uma nova história. 

Dos filmes do diretor, gosto muito de Três é Demais (1998), Viagem a Darjeeling (2007), Moonrise Kingdom (2012) e Grande Hotel Budapeste (2014). Além desses, há outros ótimos e vamos falar deles em breve, inclusive do aguardado The French Dispatch. Aproveitemos este agosto para conhecer as produções do diretor, que sempre traz uma forma inusitada, um clima diferente, ao contar suas histórias, com grande investimento em direção de arte e figurino. Este artista de cinema é, realmente, especial. Vou até colocar o poster do novo filme, só para ficarmos na vontade.
wes-anderson-2020
The French Dispatch (2020)
***

Para conhecer os artistas de cinema de maio, junho e julho, é só clicar nos meses e aproveitar!
Semana que vem, volto com mais informações, dicas e curiosidades sobre nosso novo 'convidado'. :)

Você também pode gostar

0 Comentários