O desafio no vaso de plástico, Camila Paulino

by - junho 01, 2020



Ser radical é fácil, me vi falando com um vaso de plástico num dia qualquer. Ir até o extremo e só parar quando não há alternativa. Se o sujeito estiver disposto – Freud que explique – basta olhar o que poucos ou ninguém faz. Pular de uma ponte preso a elásticos ou praticar esportes que cansam só de pensar. Como se sente ao realizar tamanha proeza?, perguntariam repórteres na minha florida imaginação, e nem precisariam aguardar a resposta para escrever a matéria. Quis me desafiar e levar meu corpo ao extremo, eu teria respondido com um sorriso exausto.

Mais uma vez, eu esqueceria do óbvio que, sorrateiro, nos rodeia diariamente. De tão óbvio, ninguém realmente fala. Bem, falo agora, sozinha na sala de estar, diante da mobília entediada com meus devaneios. Eis que o verdadeiro desafio está na moderação. Simples assim.

Pensando bem, poucas coisas na vida poderiam ser mais complexas e, na ausência de público, repito a frase querendo me convencer e me livrar da culpa que persiste. Sigo meu monólogo, afirmando que o pouco e o muito, a gente logo repara: muito sal na batata, pouco molho na salada e por aí vai. Viu? Simples. Até lá, são muitas tentativas (e dores de cabeça) para entender onde está a tal moderação que as propagandas e rótulos de cerveja tanto falam. Convenhamos, exagerar é facílimo! 

Não obstante, a moderação exige-nos muito mais. Adianto que não é a primeira vez que me pego conversando (com o vaso de plástico?) sobre essas coisas e, às vezes, chego a formular linhas de raciocínio opostas, adubando-as regularmente com argumentos coerentes, de modo que após um tempo, ambas proveem frutos perfeitamente plausíveis.

Enquanto isso, sigo a rotina de regar demais as plantas, vítimas da minha total falta de moderação. Amanhã vou ao mercado comprar uma nova pimenteira prometendo, mais uma vez, ser como pedem  as embalagens de cerveja.

***

Quem escreve
Camila Paulino diz que lê melhor que escreve. Cada dia mais convicta de que George Orwell só errou o ano, busca a leveza do realismo mágico pra encarar o mundo. Adora quando indicam livros pra ela lá no instagram.

Você também pode gostar

1 Comentários

  1. Leia com moderação. Conteúdo altamente viciante! Amei! Brilhante!

    ResponderExcluir