sem título, por Mariana Diniz

by - maio 18, 2020

foto de Bhruno Quadros


Será hoje
meu último dia?

Morrerei,
assim,
cansada,
doente,
Sem ver o mar
da Bahia?
Logo hoje
que saí com pressa
Tanta pressa
de viver
todas essas
promessas
e urgências...
Será hoje
o último passo?
A última luta?
O último ato de bondade?
Justo assim
sem um beijo na esquina
sem um amanhecer
sem saber que aquele
era o último gole.
Logo assim,
sem quebrar a rotina?
Sem lamber a ferida,
sem desobedecer?
Se eu soubesse
que era hoje
passaria batom,
não tropeçaria.
Gritaria em alto
e bom tom
o desgosto,
a agonia.
Levantaria a saia
Provocaria a vaia
dos que não
me toleram
Cantaria um bolero
e, então,
cortaria os pulsos
Antes que
me arrancassem,
à força,
assim,
o dia. 

***

Quem escreve
Mari Diniz é uma das melhores amigas de uma melhor amiga, então entendi que somos amigas também. Baiana e moradora de São Paulo, é uma das pessoas mais inteligentes que conheço e admiro, por sua pesquisa e luta pelo abolicionismo. Como se não bastasse, ainda me indica livros e escreve como ninguém. Fala com ela!

Você também pode gostar

1 Comentários

  1. Essa série das amigas que escrevem tem nos trazido várias perspectivas, sentimentos e palavras diferentes. Cada semana uma aventura nova e prazerosa.

    Adorei da poesia, me "vi" nessas palavras tão verdadeiras. Me deu até vontade de ter um dia decente, ao invés de ficar nesse marasmo terrível que estamos ultimamente :)

    ResponderExcluir