Netflix - Abril 4.2020

by - abril 17, 2020



Enquanto vivemos esse período de reclusão, vemos o descarrilar da nossa economia e como as empresas e governo estão tentando diminuir seus prejuízos. No cinema, acontece o mesmo. As produções foram todas adiadas, nacionais e internacionais, as salas de cinema estão fechadas até não se sabe quando e os streamings nunca foram tão importantes ou lucrativos. Mais uma vez, acende-se a discussão sobre as salas de cinema e uma mudança de comportamento 'em definitivo'. Mais uma vez, insisto em uma defesa do ambiente coletivo, do apagar das luzes e da melhor comunhão possível, onde somos todos envolvidos e vivemos uma experiência artística. Enquanto tudo são debates interessantes, vamos seguindo com o cinema em casa, na expectativa ansiosa de que esse presente se transforme em um futuro mais saudável para nós e para a nossa cultura.

Enquanto somos jovens (2014)
Noah Baumbach tem uma série de filmes espalhados pelos streamings, além de Frances Ha e História de um Casamento. O que é interessante e comum em toda a sua filmografia é o olhar sobre comportamento e relações humanas. Ele não tem uma pegada de crítica social como Ken Loach faz na Inglaterra, mas ainda assim, busca entender, de uma forma menos estereotipada, seu entorno enquanto estadunidense, da adolescência à vida adulta. Enquanto somos jovens segue esse caminho, é uma obra leve que traça um paralelo entre dois casais, um de jovens hipsters (Adam Driver e Amanda Seyfried) e outro na meia idade (Ben Stiller e Naomi Watts) O interessante é perceber o que falta e sobra em cada par, com insights sobre comportamento, juventude, vida adulta, desejos e interesses. A crítica está aqui!

Sherlock (2010-)
Já se fizeram mil e uma adaptações de Sherlock Holmes para a tv e o cinema. Ainda que essa seja mais uma, vale a pena. Benedict Cumberbatch é o herói e Martin Freeman, Watson. A dupla inglesa funciona nesta produção da BBC ambientada na atualidade, que traz um elenco inesperado em uma série de investigação e aventura. Ao contrário do filme americano, aqui a ideia não é ter um protagonista sedutor, mas alguém inteligente e que, ao mesmo tempo, torna necessária e relevante a presença do amigo médico. Depois de assistir a alguns episódios, não deixe de ver este trailer incrível (em inglês), do pessoal da Honest Trailers. Muito engraçado.

13a Emenda (2016)
O filme é uma aula sobre a questão penal norteamericana e como ela é representativa de uma situação ainda maior e mais complexa de direitos humanos, preconceitos e racismo. Ava Duvernay traz um estudo muito bem apresentado, com muito ritmo que nos prende até o fim, ainda que venha com bastante informação crítica. O sistema de lá ainda nos faz questionar diretamente a nossa situação aqui, especialmente em tempos de desgoverno, conservadorismo, falta de representatividade e crise política. A crítica segue aqui e é um filme que todos deveriam ver e discutir. 

Posts Relacionados

0 comentários