Livro da Semana: Os meninos da rua Paulo

by - abril 11, 2020

Aproveitando que não vivemos apenas de filmes e séries, vou começar a ampliar o espaço com os livros  especiais para ler agora. A ideia é trazer um por quinzena, para que sirva de inspiração para começarmos algo novo, discutirmos outras ideias, navegar por outros mares. 

Os meninos da rua Paulo, de Ferenc Molnár (1907)
Quando viajo para alguma cidade ou país, procuro conhecer um pouco da história do lugar e tenho duas premissas básicas: me pergunto se eu moraria ali e levo um livro de algum autor local. Em 2016, fiz a minha primeira viagem para a Europa. Fui com uma melhor amiga e chegamos a Budapeste, na Hungria. Não só eu moraria lá e me apaixonei pela cidade para todo o sempre, como busquei um autor e saí com uma edição em inglês deste Os meninos da rua Paulo, de Ferenc Molnár. O que eu não lembrava é que já havia comprado esta edição da foto, da infelizmente finada Cosac Naify.

Levando em conta que o livro é em húngaro, decidi ler a versão em português, com a tradução de Paulo Rónai, húngaro naturalizado brasileiro quando chegou ao país, fugindo da Segunda Guerra. O tradutor sozinho já merece livros em sua homenagem, por sua contribuição com diversas traduções de livros fantásticos. A história é sobre dois grupos de meninos que brigam pelo grund, um espaço para jogarem péla, uma espécie de tênis rústico. 

O que parece infantil, na verdade se torna surpreendente e cativante, o livro é universal, ainda que se passe nas ruas da capital húngara e atemporal, ao tratar dos fundamentos de grandes amizades. Lindo, atinge todas as idades. Foi reimpresso no Brasil mais de oitocentas vezes (de verdade) e a última edição é da Companhia das Letras, de 2017. Um presente magnífico para qualquer geração e um dos livros fundamentais da vida para ler agora: os meninos da rua Paulo. De fácil acesso, coloquei em rosa links para comprar na Amazon, mas é possível encontrá-lo nas maiores livrarias e em sebos.

Você também pode gostar

0 Comentários