Livro da Semana: As Pequenas Virtudes

by - março 16, 2020


Ainda em ritmo de quarentena, além de ver filmes e séries, podemos aproveitar este tempo de reclusão para ler algumas coisas, algo que vá além de uma obrigação ou estudo. Ler por prazer. Por isso, começa agora uma pequena série com dicas de livros, para quem precisa de uma companhia para aquele café-delícia do fim da tarde.
Para começo de conversa, uma coisa rápida: quando estava buscando uma foto de Natalia Ginzburg, me deparei com imagens de uma mulher séria e isso contradisse a imagem que eu fazia dela. Talvez por realmente ter visto poucas fotos, esperava sorrisos. A questão é que os textos que conheço, ainda que alguns tratem de temas sérios, trazem uma leveza na forma de contar, que deixa até os pesares parecerem menos desesperadores, ainda que tristes.


Eu me apaixonei por ela com As Pequenas Virtudes. É um livro curtinho, tem talvez 150 páginas e é fluido, fácil de ler. É uma seleção de ensaios e também algo como um livro de memórias. Natalia traz sempre histórias com temas que me interessam, como o registro familiar e cotidiano. Ao mesmo tempo, nada é frívolo, nada é gratuito. Através de uma escrita que parece falar de pouca coisa, vemos a história da Itália, o fascismo, as guerras, os exílios, a família, a morte e o amor. Ela também fala sobre a escrita, sobre o que significa para ela e como foi a única profissão que lhe dizia respeito e em que se sentia capaz. 

trecho do ensaio As Relações Humanas

Esta edição é da infelizmente finada Cosac Naify, de 2015 mas a Companhia das Letras fez uma edição novinha e linda lançada neste Janeiro de 2020, então é fácil de achar em qualquer livraria. Para continuar lendo Natalia, vale investir no Léxico Familiar e Caro Michele, outras obras também importantes e impressionantes.

Natalia Ginzburg sendo muito séria com seus amados gatinhos

Posts Relacionados

0 comentários

//]]>